13 de junho de 2010

Perigosamente ao seu lado. - Parte I

    As malas estavam entre minha camiseta e minha calça jeans. Tropecei em tudo no caminho para a porta, tombando por fim com meu par de sandálias de salto. A campainha era apertada insistentemente a cada cinco segundos. Seis toques por vez.
- Calma aí! - pedi, escondendo meu biquíni debaixo da cadeira de madeira. - Deixa só eu achar a chave. 
- Tudo bem... - respondeu uma voz rouca e musical. Desconhecida, com certeza.  
    Mais um monte de meias listradas estavam espalhadas na mesa. Juntei tudo com um puxão e joguei na poltrona reclinável. Peguei a chave no pino da parede e destranquei a porta, em uma tentativa desastrosa de parecer normal. 
- Pois não? - perguntei, tirando os cabelos desgrenhados dos olhos.
- Er... eu acabei de me mudar aqui pro 312, e me disseram que eu pego a chave na administração. E aqui está escrito administração. Então... - o estranho murmurou tímido, passando os dedos pelo cabelo. - Tô certo?
- Arrã. Me dá um minuto.
    Bati a porta atrás de mim e corri até meu quarto, em busca da chave que tinha deixado na cômoda. Depois de revirar as agendas e livros da minha irmã, achei o molho debaixo do cupom de desconto do cabeleireiro. 
- Aqui está! - eu disse, entregando a ele uma pequena chave em forma de trevo.
- Obrigado.
- Por nada. E seja bem-vindo.
   O homem elegante e esguio caminhou com passos ensaiados até sua porta. E, destrancando-a, falou:
- Meu nome é Harold.
    E fechou a porta.
    Como um espelho, repeti seus gestos, fechando a minha porta branca descascada. Fiquei estática por um segundo, me perguntando o porquê de  Yara não ter me contado que um novo morador chegaria. Talvez se eu já soubesse que um modelo moraria aqui, não ficasse babando sua beleza como uma idiota.
- Quem era, Rox? - perguntou, Yara, cambaleando sonolenta até o sofá.
- Não senta aí, tem uma agulha de costura.
    Com os olhos arregalados ela se manteve de pé, caindo por fim na cadeira de madeira.
- E então, quem era?
- O novo vizinho gato que a gente ganhou. Harold.
- Ah, é. Esqueci de avisar que ele passaria aqui hoje... às três da madrugada?
- Nem me fale. Parece doidão.
- Devia estar drogado, ou algo assim.
- Isso com certeza não. - balancei a cabeça, pegando a agulha do sofá e guardando-a junto aos outros materiais de costura - Parecia mais sóbrio do que nunca.
- E você... vai sair com ele? - perguntou Yara, piscando os olhos freneticamente.
- Não sei.
    Yara não se deu ao trabalho de responder. Apenas levantou da cadeira e se arrastou até o quarto. Ouvi o barulho dela se jogando com força na cama. A conversa acabava ali. 
    Também fui para o meu quarto. E, embalada por pensamentos incoerentes, adormeci.

Acordei com os toques do telefone. Corri para a cômoda, empurrando o copo de vidro, que se espatifou no chão. Mais uma coisa para eu limpar.
- Alô?
   Primeiro o silêncio. Depois uma voz aflita sussurrou:
- Você precisa me ajudar.  


4 comentários:

Naty Araújo disse...

Querida... Tem selo pra ti lá no meu blog...

Beijos.

Talitha disse...

Nossa adorei, espero que tenha continu... to louca pra ver amo histórias assim.
Ah amei os selos viu, Brigada já estão no meu blog
Kiss...

Nina Auras. ♥ disse...

Adorei *-* Ficou ótimo! Parabéns e, sério, muito obrigada por comentar no meu blog (: O seu está perfeito, e eu adorei a imagem (não sei direito como se chama, HSAUHSAUUSA, aquela onde está "Blá-blá-blá" e "Whatever", é bem show) e o lay e all <3

Meus parabééééééns!

Continuarei visitando e vou seguir *O*

xoxo :*
Nina-chan

♥ Garota ♥ disse...

Ooowwnt *-*
Briigada gnt :)
Naty, adorei os selinhos :)
Talitha, que bom que gostou da história :)
E Nina, a imagem não tem nome porque eu peguei um monte e montei essa aí :)
Beeijos s2