9 de março de 2011

What If? - parte VI




CHARLIE'S FLASHBACK

- Charlie! - ela gritou, agarrando minha mão - O que pensa que tá fazendo?
    Boa pergunta.
    - Nada, ué... - trinquei os dentes, nervoso - Eu sei lá.
    Ela me olhou um pouco.
    - Por que você tá tão estranho, Charlie? - May me perguntou, enrolando meu cabelo em seus dedos - Me conta. 
    Segurei as pontas para não avançar nela ali mesmo, beijando-a até perder a respiração. Doze anos. Doze anos escondendo meus sentimentos, mentindo para os outros. Mentindo para ela. Só que não dava mais. Era amor demais para esconder. 
    - Por nada, Maria. - fui grosso e seco. 
    - Você mudou. - ela concluiu, desenrolando seus dedos e se afastando de mim. - Não é mais o Charlie. É alguma coisa diferente dele. Eu não gosto disso. 
    - Bom, esse sou eu. Goste você ou não. 
    May sorriu, decepcionada. Vi seus olhos brilharem com as lágrimas que ela ameaçava derramar. 
    - Charlie? - sussurrou, meio rouca. Fiz que estava ouvindo, mas não a olhei. - Você me ama? 
    Soltei um risinho irônico. 
    - Não. Não te amo. 
    Ela ficou em silêncio. 
    - Ah.  - murmurou, fungando. - Eu... eu... 
    May não conseguia concluir a frase. Isso me deixou nervoso.
    - VOCÊ O QUÊ?
    - Nada. Nada, não. 
    Ela se levantou, levando a bacia de pipoca consigo. Ouvi seus pés contra os degraus, correndo rápido demais. E então um baque. Pipocas no chão, a bacia caindo escada abaixo. E ela, rolando as escadas, batendo forte contra os degraus. Um último gemido. E então, seu corpo sangrando ao pé da escada. Tudo porque ela queria ir para longe de mim.  
    May estava desacordada quando liguei para a ambulância. A única coisa que me perguntava  enquanto discava os números era: E se eu nunca tivesse mentido que não a amava, será que as coisas seriam diferentes?

- Por que será que não me lembro de nada disso? - murmurei, quando ele acabou de me contar a história. 
    - Os médicos disseram que era provavel que você apagasse o acidente da memória. Por ser traumático, sabe? 
    Fitei meus pés, pensando se deveria mesmo dizer o que estava prestes a dizer. 
    - Eu acho que não foi o acidente que me traumatizou. 
    Charlie entendeu de imediato. Pude ver a dor em seus olhos. 
    - Me desculpe, Maria... - gemeu, começando a chorar - Você sabe que eu não queria. Eu... eu... 
    - Ei, ei... não chora, não. A culpa não foi sua. 
    Acariciei suas bochechas com as costas das mãos, secando as lágrimas. 
    - É bom ouvir que você me ama. Mesmo que você tenha demorado doze anos para contar. 
    Ele riu, puxando-me para um beijo demorado. Lábios mornos contornavam os meus enquanto aproximavamos ainda mais nossos corpos. Tudo mais parecia pegar fogo. Nossas respirações estavam entrecortadas. Sua barba me pinicava, dando pequenos choques em meu rosto. E... meu Deus, por favor não para!
    - Sabe... - murmurei, assim que ele me soltou - doze anos valeram a pena. 
    Charlie riu, desamassando minhas roupas. Limpei o batom de seu rosto e arrumei sua blusa. Parecia que tinhamos saido de uma centrifugadora. 
    - Sabe, isso aqui tá ótimo. Mas você sabe que uma hora vamos ter que voltar. - disse, pegando a mão de Charlie. - Como vamos sair de Petalúnia?
    - Quando você acordar.
    - E quando vai ser isso?
    - Sinceramente? - ele perguntou, sorrindo torto. Balancei a cabeça, concordando. - Eu não faço a mínima ideia. 

"When I say that I want you
You know that I mean it
And in my hour of weakness
There's still time to try"
What If - Ashley Tisdale

CONTINUA... 

É isso aí, tchucos', consegui postar mais uma parte antes do fim do feriado. Quero terminar até o fim dessa semana, então... vou postar mais rápido do que de costume (ainda bem, coff, coff). Mas e aí, o que estão achando? Comentem, ok? Beijinhos de leite condensado ;*
 

7 comentários:

Mariie disse...

Pooooxa, nem imaginava, mas eu ADOREI! Beijos ;*

Anna Carolina Vale . disse...

Nem imaginava também viu? PelamordeDeus, pensei que tivesse acontecido alguma coisa fora do comum, mas pra falar a verdade, acho que teria acontecido a mesma coisa se fosse comigo. Talvez até pior, por que sou tipo, mega desastrada >< Anyway, to adorando, quero mais (:

beijos, se cuida :**

Monique Premazzi disse...

Eu eu pensando que gostar de alguém escondido por 4 anos era demais, então me deparo com uma história onde um garoto esconde algo por 12 anos, 12 ANOS! Isso é demais pro meu coração, sério.

Amando cada vez mais a história. Quero mais! Beijinhos :*

Railma R. Medeiros! disse...

Muito linda a história, fofa *-* ' Tô amando a história e vou voltar pra ler o resto. Beijo :*


Me visite também: http://railmamedeiros.blogspot.com/

Monique Premazzi disse...

Eu já estava feliz com a idéia de entrar aqui e ver a proxima parte, mas não. Tem noção da vontade que eu tenho de te matar, Leti? KKKKKKKKKKKKKKKKKK ESPERANDO LOUCAMENTE!

<3

p, beck. disse...

- fui apaixonada pelo mesmo cara por 3 anos e ele não sabia de nada, éramos amigos e eu temia que dizer algo, mudasse nossa amizade, pois nem de longe imaginava que ele sentia o mesmo.

então você deve imaginar o quanto estou me identificando com essa história, não é mesmo?

você está sendo magnifica com tanta riqueza de detalhes, tanta emoção. estou amando MESMO (apesar de já ter pego do meio) haha

tá esperando o quê pra poder a continuação, eeeein? :~

Monique Premazzi disse...

Estou super louca pela proxima parte, sério D: Da até agonia vir aqui e não ter atualização. Vou continuar esperando roendo as unhas!

Beijinhos :*