23 de abril de 2011

I still love you.

14 passaram por aqui
- Quem é ele, minha filha? - mamãe me perguntou, olhando para o homem que nos encarava, do outro lado da rua. - Você o conhece?
    Olhei-o também. Estava encostado num poste, fumando distraidamente. Todo o peso daqueles olhos verdes voltou a cair sobre mim, como se nunca tivesse deixado meu coração. Ele estava mais alto, é claro. Mas ainda era o mesmo cara sexy, divertido e malicioso de antes. Ainda usava a calça jeans larga, a blusa dos Beatles e o gorro preto, sempre com um cigarro preso aos lábios. Era o mesmo, só um pouco mais triste.
    E eu era a culpada. 
    - Não sei quem é. - trinquei os dentes, segurando as lágrimas. 
   André, de alguma forma, conseguiu ouvir, porque seu rosto se contraiu e ele arqueou uma sobrancelha, curioso com a minha ousadia. Era, provavelmente, a mentira mais deslavada que eu contava. Baixei os olhos para os meus pés e sussurrei: 
    - Vamos, mamãe? 
    - Engraçado você dizer isso - ela me ignorou - Se você não conhece o menino, por que ele te espera todo dia depois da escola? 
    - Como sabe que ele me espera?
    Ela franziu o cenho, pensando.
    - Se fosse diferente, ele não te olharia com tanto amor. 
    Não aguentei. Ergui os olhos para ver a reação dele. André sorriu do outro lado da rua, jogando a guimba de cigarro no chão. Por que mamãe tinha que falar tão alto? 
    - Já chega, mamãe. Vamos embora. 
    Ela suspirou e assentiu. Foi o tempo de eu pisar na rua e as lágrimas começaram a escorrer, uma atrás da outra, em uma mistura de saudade e culpa. Minha pernas pareciam de gelatina. Meu corpo todo formigava. 
    - O ônibus! - minha mãe gritou, trazendo-me de volta à realidade. Me puxou pelo braço, arrastando-me como se fosse de pano. Cheguei ofegante à porta.  
    Quando já estava segura em minha gaiola, arrisquei uma última olhada. E, como em todas as outras tardes, ele pôs uma expressão de derrota do rosto e murmurou as quatro palavras que me matavam por dentro:
    - Eu ainda te amo.
   
"You tell me that you're leaving, and I'm trying to understand
I had myself believing I could take it like a man
But if you gotta go, then you gotta know that's killing me" 
I Still Love You - Kiss

Meu plano não era escrever alguma coisa de amor. Mas é tudo que tá passando pela minha cabeça esses dias. Foi mal mesmo. Enfim... o que acharam? Meio pirada, né? É que eu to meio viajada esses dias (Você quis dizer: sempre). Bem, é isso... Beijos de maçã para vocês ;*

15 de abril de 2011

Prazer, Hann, em maldade e espírito

9 passaram por aqui
Do meu quarto, 15 de abril de 2011

Hannibal Lecter, 

    Psicopata, frio, cruel e doentio. Será que finalmente achei um nome que se encaixa em você? Não sei. Raciocinando da sua forma, eu estaria rindo e concordando, enquanto despedaço flores que nada tem a ver com a minha vida. Mas eu me cansei, entende? De ser falsa, analisar tudo friamente. Porque, antigamente, eu não era assim. Foi a tua frieza, a tua maldade e malícia que fizeram isso comigo. E eu te pergunto: Por quê? Por que ser falso quando quero ser verdadeira? Por que tirar palavras da minha boca para impressionar quem já gosta de mim, do jeitinho que eu sou? Sim, eu posso até ser aguada e sem sal sem suas histórias, mas pelo menos sou sincera, perfeita ao meu modo. Menos ridícula e plástica. Menos superficial.
    Às vezes você consegue. Faz com que eu me sinta péssima, achando que toda a merda que eu faço é culpa minha. Só que eu tenho consciência de que não é a voz boa que me manda falar mal dos outros. Ela é a que me avisa que não devo fazer isso. Mas, sei lá, você é mais forte, lado B. Sua burrice me contagia. É como naquela história, em que há um anjinho e um diabinho, e o diabinho fala mais alto. Só depois o anjinho reaparece para me consolar.
    Dói, Hannibal. Magoa. Ver-me perdendo meus amigos por sua culpa. Sentir-me tão frágil a ponto de ser controlada por ti. Sorrir, quando quero me jogar no chão e chorar; ter que pedir perdão por todas as besteiras que disse pelas costas dos outros. Não foi por mal, isso eu te garanto. Por exemplo, lembra-se de quando eu estava sentada naquele corredor, conversando com minhas amigas, e falei mal de certos garotos? Eu só queria que elas prestassem atenção em mim. Achei que talvez, falando mal de outros, eu me tornaria melhor. Ah, como eu sou ignorante, Hann. 
    Como a gente pode ser ridículo às vezes. Você mesmo sabe. É o primeiro a fazer isso.
    Agora, eu me pergunto, será que, em todas as vezes, era mesmo você? Ou será que sou mesmo ruim, boba assim? É como Sócrates disse: "Eu só sei que nada sei". A vantagem dele é que ele sabia, sim, alguma coisa. Eu não sei mesmo. 
    Por isso, eu decidi uma coisa. Vou deixar você. Quero ser sempre eu mesma, sem suas intervenções de diabinho barato. Então, resumindo, essa carta é uma despedida. Adeus, Lado B. Adeus Hannibal Lecter. Pode envenenar e comer os cérebros que quiser, com suas ideias de  psicopata incubado. Menos o meu. 
Fique em paz e até nunca mais, 
Letícia.







Confesso que algumas partes são verdade. Mas eu não tenho um Hannibal Lecter dentro de mim, graças a Deus. Bem, espero que gostem e comentem. Tô com saudade daqueles comentários que vocês deixavam pra mim, benhês. Enfim, é isso. Beeeijos de chokito, ;*

8 de abril de 2011

15 anos; Meme *-*

3 passaram por aqui

Vamos as perguntas e respostas:
1 - Existe um livro que você leria muitas e muitas vezes sem cansar? Qual?
Ah, existem váaaaaaaaarios, mas o que eu nunca mesmo vou parar de amar é Orgulho e Preconceito, que marcou demais a minha vida.

2 - Se você pudesse escolher apenas um livro para ler o resto de sua vida, qual escolheria?
Como já escolhi Orgulho e Preconceito na de cima, vou escolher Uma rua como aquela, que também é maravilhoso.

3 - Indique um livro para que os outros possam ler.
Bem, benhê, eu indico todos do Harlan Coben, em especial Não conte a ninguém.

4 - Indique 10 blogs para responder este Meme.
Marie, e seu Suddenly, Ballerina
Thatz, e seu O diário
Sheila, e seu I Think So...
Helen, e seu Mundo Adolescente
Leti, e seu Believe
Stella, e seu Plush Love
Angus, e seu This is me
Carolina Vale, e seu Desventuras&Infortúnios

5 - Linke o blog que te indicou: http://secretsofalittlegirl.blogspot.com

Enfim, meus tchucos', a foto eu tirei no meu aniversário (06/04/2011, 15 anos *-*) e pus aqui em troca do post que eu devia ter feito e NÃO fiz. E o meme eu tô pra por há séculos e séculos, amém. Foi a fofa da Nique que me indicou. Brigada, gata ;* Beeeeeeeijooos de mel, benhês ;*